segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

ENCANTAMENTO DE VILA DO CARMO

 
  Uma espécie de mundiação plena, atração fatal tem a Vila de Nossa Senhora do Carmo do Tocantins, em Cametá, região do  Baixo-Tocantins. Quem nasce lá na Vila, quem pisa em seu solo, se banha em suas águas, recebe  indelével  enfeitiçamento e nunca mais olvida essa lugar encantado e por isso, todo  ano, no mês de julho das férias, faz o impossível para estar presente na  “Festa do Carmo”.  Meus bisavós, avós , pais, tios, primos , eu e meus  cinco irmãos nascemos na  Vila do Carmo vendo  o majestoso rio Tocantins e  os rostos brancos e arredondados das imagens grande e pequena, de roca, da Virgem do Carmo e seu filho, antes, nos altares da igreja velha e depois, na igreja construída sob a direção do pe. Guilherme, do grupo de sacerdotes holandeses que dirigia a prelazia de Cametá e a firme liderança de Ana Gonzaga Larêdo, presidente da comunidade.
  O encantamento talvez proceda das águas, das matarias do entorno, das catingas de mulata, das preamares, das ilhas e vilas próximas: Moiraba, são Benedito, Monteiro,  Furtados, Marinteua, Preguiças, Baxo;  talvez das melodias das cantorias dos banguês do tio Félix,  das canções das lavadeiras na beira do rio lavando roupa com sabão de cacau e folhagens que dão cheiros cheirosos  aos panos e lençóis das alvas quentes e ardentes alcovas  e alvoradas de foguetes e cantigas de benzeção do seu Alves ou a matintapereragem da tia Rosa; talvez das contrições do povo nas procissões e nos afagos à santa na missa da irmandade do “dia da festa”, na simplicidade de sua gente;  nos duarvos  e lanzudos, fifites e jatuaranas que donalady cozia com alfavaca chicória para o Milton e filharada com  muita ternura; talvez proceda da amizade dos Cota, gente-irmã-vizinha do são Benedito, dos Barroso, dos Braga, dos Almeida, dos Filgueira, Fiel, Brito, Américo,Tenório,Gonzaga, Capela, Medeiro,Gaia, Dornela, Freita, Vanzeler, Vicência, Conceição, Vidico e Joana Baia, Antonia, Pombito Tiruti, Leôncio Moraes, Bebé, Nestor, Leonel, Zérnani e outras pessoas amigas e  famílias que construíram intensa  vida cultural ; talvez da negritude dos Torra, entre nicanores e pachulitas; talvez  das palmas de pão, dos doces dos Furtados, dos beijus-chica, dos beijos de moça, das gengibirras, das mandiocabas; talvez  das piadas do Coroca, da musicalidade dos Satiro de Melo e tantas outras manifestações da arte e do engenho do povo carmoense.
  Tentando registrar tudo isso e muito mais, elaboramos um livro de 900 páginas que conta a origem e a história da família Larêdo, seu começo hebraico, em Santander na Espanha, passando pelo Marrocos  e chegando à Amazônia rumo  de Cametá por meio do velho Jacob, judeu sefardita que nos precedeu nesta jornada que mostra os primórdios da Vila, seu povo, seu rosto, sua cultura e lógico todo o encantamento que  se explica  no  mythus grego pela intensa fé que todos temos na Virgem do Carmo que nos guia e nos protege, hoje e sempre em todas as vilas e vidas e festas do Carmo na querida Vila do Carmo do Tocantins do Artênio, Jacob, Jaime, Moisés, Raquel,David, Zita, Pêca, Domingas e também  do Abrão, Zéisaac, Adalcinda e Ocirema.

2 comentários:

Norma cabral f. barroso disse...

Prezado Salomão, aqui fala um conter-
raneo residente aqui no Rio de Janei-ro, Antonio Barroso Tenório, filho do
Raimundo Tenório e Da.Juruty,vizinhos
Saí dai descalço e confesso com orgu-lho que cheguei aqui, mas orgulho maior, é ver que você chegou mais longe ainda, pois, constantemente vejo na internet noticias suas, colocando nossa terra em evidência.
Estou na casa de 83,se vivo for,
ainda pretendo encontra-lo num mês de julho. se Deus quiser.Um abraço, recomndações a "Familia"

Norma cabral f. barroso disse...

Prezado Salomão:Com satisfação e orgu
lho leio"Encantamento".Os nomes citados, conheço todos. com ternura,relembro o Professor Laredo, com a palmatória na mão, ensinando taboada. Saí daí descalço e, graças a
ÊLE, cheguei até aqui, assim como você, que chegou mais longe ainda, no topo. Palmas para êle e uma estátua,alí mesmo,ao lado da igrejinha,para homenagear um dos
maiores bemfeitores daquele torrão
barroso-cruz@bol.com.br