quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

“...Tratei a leitura toda como se fosse uma lenda. Você conseguiu, autor! Aguçou o aspecto da subjetividade do texto literário em mim, e assim espero que faça com os demais leitores... me vi sido "engolida" pela trama, pelas "cobras" da literatura... Assim como o Código da Vinci veio "mexer" com nossos preceitos religiosos (pelo menos com o meu mexeu), esse "observador" do Sarrabulho, me totalizou de dúvidas. Sim! É só um conto... me senti "perdida", às vezes, com a confusão de vozes de narradores que interferiam na narrativa... Profa. Márcia Coelho.

Me senti envolvida a cada fato, tanto é que quando "peguei" o livro, não o larguei mais. Uma leitura que durou aproximadamente 3 horas, contadas algumas interrupções do "facebook" e do "whatsapp", talvez isso tenha feito com que eu me confundisse? Não sei! Só sei que precisarei lê-la para esclarecer tal dúvida e desfazer essa "confusão". Se Zaís e Nana são a mesma pessoa, aí aquele leitor anônimo já foi muito audacioso. Pois, como uma mãe e uma filha podem ser a mesma pessoa? E, Quem fez a tal observação? Assim como o Código da Vinci, o Filme, veio "mexer" com nossos preceitos religiosos (pelo menos com o meu mexeu), esse "observador" me totalizou de dúvidas. Sim! É só um conto. E o interessante é que só fui ver isso agora. Tratei a leitura toda como se fosse uma lenda. Você conseguiu, autor! Aguçou o aspecto da subjetividade do texto literário em mim, e assim espero que faça com os demais leitores. Enfim, a leitura foi utilizada para criar uma Sequência Expandida, proposta de Rildo Cosson, para o letramento literário, para o meu curso de Mestrado do PROFLETRAS, na UNEMAT, Campus de Sinop, pois antes de fazer com que os alunos leiam, nós, professores e pesquisadores, temos que já ter lido para que o aluno perceba nosso amor pelo texto literário. Mas, depois me vi sido "engolida" pela trama, pelas "cobras" da literatura, que ora nos puxa e ora nos larga de si e para si. Já ia esquecendo, há outras críticas sobre essa obra? Se houver, quero (e preciso) estar "lá". Abraços na "Zana" (Zaís e Nana unificadas... sem fechar o parêntese nem ponto final.
O Livro Sarrabulho – a lenda da cobra Norato, ganhou o "Prêmio Monteiro Lobato", concedido pela União Brasileira de Escritores. O Livro está esgotado. Capa Emmanuel Nassar.
Comentário feito pela Profa. Márcia Coelho, no dia 27 de janeiro de 2016, no blog http://slaredo.blogspot.com.br/2013/05/sarrabulho-lenda-da-cobra-norato


Está no ar o novo projeto da Empíreo: livros colaborativos.


Muito Prazer: Um Livro Colaborativo Sobre Sexo, que desafia escritores do país todo a mostrarem sua criatividade ao abordar o tema mais polêmico desde Adão e Eva. O projeto mais uma vez contará com financiamento coletivo para ser concretizado. Para apoiar

Para participar se inscreva aqui: www.livromuitoprazer.com.br


segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

A Editora EMPÍREO e seus livros apaixonantes:


Você é escritor e quer aumentar as chances de aprovação de seus originais pelas editoras?Nosso editor Filipe Larêdo ensina o caminho.

Por Filipe Larêdo

O Caminho do Escritor: preparo e envio de originais para editoras.

Quando?


19 de Janeiro de 2016
das 19h30 às 22h00

Onde?

Editora Empíreo
Rua Cajaíba , 451,
São Paulo - SP

Investimento: R$300,00
Inscrições no site: http://www.cinese.me/encontros/preparo-e-envio-de-livros-para-editoras

As editoras recebem constantemente originais de autores ansiosos para verem seus livros publicados.

Acontece que a maioria das propostas chegam sem o devido cuidado, o que torna a possibilidade de aprovação muito pequena.

E como um autor pode potencializar suas chances de publicação? Analisando o perfil de cada editora e montando corretamente sua proposta, com as devidas apresentações.

Objetivo:

A proposta do curso é simples, mas de extrema importância para os escritores que desejam publicar seus livros por meio de editora: escolher as editoras mais indicadas e organizar os originais antes de enviar.

Conteúdo:

Dia: 19.01: 

19h30 – 22h

Tipos de publicação: Tradicional, parceria e autopublicação. Quais as diferenças?

Para onde mandar: perfil das editoras

Agente literários: uma grande ajuda?

Dia: 20.01: 

19h30 – 22h

Como aumentar as chances de ter seu original aprovado

Ferramentas para tornar seu original mais sedutor

Registro na Biblioteca Nacional: é necessário?

Dia: 21.01: 

19h – 22h

Oficina: formatando seu original para análise (Apresentação, resumo, perfil dos personagens etc)

Público:

Escritores, ilustradores, agentes literários, profissionais do mercado editorial, estudantes de comunicação, editoração, letras e jornalismo, jornalistas e demais interessados em conhecer como enviar originais para editoras.

Observação: Levar papel e caneta para anotações.

Sobre Filipe Nassar Larêdo:

Filipe tem formação em Direito e Produção Editorial. Já trabalhou na Globo Livros e coordenou o setor de produção editorial de literatura estrangeira da Editora Novo Século. Atualmente, trabalha em sua própria editora, a Empíreo (www.editoraempireo.com.br).


segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

TODO ESCRITOR MERECE ESTA CHANCE. APROVEITA. É SÓ ATÉ 30 DESTE JANEIRO - O PRÊMIO FOX-EMPÍREO DE LITERATURA 2016 é promovido pela LIVRARIA da FOX e pela EDITORA EMPÍREO.


Vinculado aos eventos da FliPA (Feira Literária do Pará), o prêmio será concedido ao escritor paraense ou que exerça essa atividade no Pará, que nunca tenha tido seus trabalhos editados e publicados em qualquer suporte, plataforma, mídia ou meio. Fica estabelecido a categoria: ROMANCE como gênero a ser trabalhado. Maiores informações, no edital abaixo ou acesse o link: http://flipara.com.br/premio-fox-empireo/



PRÊMIO FOX EMPÍREO
O Prêmio Fox-Empíreo de Literatura tem por objetivo publicar novos talentos e promover a literatura paraense. Para se inscrever, basta preencher o formulário e enviar os originais conforme orientação abaixo. ATENÇÃO: o prazo para inscrição vai até o dia 30 de janeiro de 2016:

EDITAL

PRÊMIO FOX-EMPÍREO DE LITERATURA

I – APRESENTAÇÃO

O PRÊMIO FOX-EMPÍREO DE LITERATURA 2016 é promovido pela LIVRARIA da FOX e pela EDITORA EMPÍREO. Vinculado aos eventos da FliPA (Feira Literária do Pará), o prêmio será concedido ao escritor paraense ou que exerça essa atividade no Pará, que nunca tenha tido seus trabalhos editados e publicados em qualquer suporte, plataforma, mídia ou meio. Fica estabelecido a categoria ROMANCE como gênero a ser trabalhado.

II – INSCRIÇÃO


  • Cada concorrente poderá participar com apenas uma obra.
  • O texto inscrito deverá ser inédito, ou seja, nunca ter sido publicado. Entende-se por publicação o processo de edição de uma obra literária e sua distribuição em livrarias ou pela internet, ainda que as mesmas não possuam número de registro no ISBN.
  • Somente serão habilitadas obras redigidas em língua portuguesa.
  • A data de inscrição compreende o período de 00:00 de 1 de novembro de 2015 à 30 de janeiro de 2016, até às 23:59.
  • Os originais deverão ser enviados através do site da FliPA, no linkhttp://flipara.com.br/premio-fox-empireo/. No site os interessados deverão cumprir todas as etapas de inscrição e enviar os originais.
  • O texto deverá ser digitado em fonte Times New Roman tamanho 12, estilo normal, na cor preta; parágrafo de alinhamento justificado; espaço entrelinhas duplo; todas as margens 2,5 em formato A4, com as páginas numeradas. Cada capítulo deverá ser iniciado em uma nova página. Os textos que estiverem fora da formatação indicada serão automaticamente desclassificados.
  • Para efetuar sua inscrição online, o participante deverá acessar o sitehttp://flipara.com.br/premio-fox-empireo/ e preencher o formulário com as informações solicitadas. Será enviada uma resposta automática por e-mail, confirmando a inscrição.
  • No original, o autor deve incluir seu NOME, PSEUDÔNIMO e TÍTULO da obra.
  • Durante o processo de inscrições, o candidato deverá utilizar o CPF como forma de identificação.
  • Na segunda quinzena de março de 2016, será divulgado em todas as mídias e canais da FliPA, o vencedor do PRÊMIO FOX DE LITERATURA, incluindo no endereço eletrônico http://flipara.com.br/premio-fox-empireo/.
  • As inscrições para o PRÊMIO FOX-EMPÍREO DE LITERATURA são gratuitas.
III – JULGAMENTO
  • As obras inscritas serão analisadas por uma Comissão Julgadora composta pelo escritor Andrei Simões, o editor da Editora Empíreo Filipe Nassar Larêdo, a livreira Deborah Miranda, representando a Livraria da FOX, e a escritora Roberta Spindler.
  • A comissão julgadora final atribuirá o PRÊMIO FOX DE LITERATURA 2016 a um único autor.
  • O único critério para seleção das obras vencedoras é o mérito literário, cabendo ao júri a decisão final, que será soberana e não suscetível de apelo.
IV – PREMIAÇÃO
  • 1 – O resultado do PRÊMIO FOX-EMPÍREO DE LITERATURA será divulgado na segunda quinzena de 2016.
  • 2 – O vencedor firmará um contrato com a Editora Empíreo, que publicará e distribuirá comercialmente sua obra, cuja tiragem inicial será de 500 (quinhentos) exemplares.
  • 2.1 – O vencedor deverá providenciar – no prazo máximo de 15 dias – o pagamento do depósito legal conforme previsto na Lei do Depósito Legal (Lei n.10.994, de 14 de dezembro de 2004).
  • 2.1.1 – O cumprimento da Lei do Depósito Legal (Lei n.10.994) é pré-requisito obrigatório para a publicação da obra vencedora deste Prêmio Literário. Sendo definido o Depósito Legal (Lei n. 10.994, de 14/12/2004, que revogou o Decreto-Lei n. 1825, de 20/12/1907), como exigência de remessa à Biblioteca Nacional de um exemplar de todas as publicações produzidas em território nacional, por qualquer meio ou processo, objetivando assegurar a coleta, a guarda e a difusão da produção intelectual brasileira, visando à preservação e formação da Coleção Memória Nacional.
  • 2.1.2 – Para maiores informações a respeito do funcionamento e exigências do Depósito Legal, acessar o endereço eletrônico:www.bn.br/depositolegal.
  • 3 – O autor vencedor de cada categoria terá direito a 10% do valor de capa da obra quando da sua comercialização em livrarias.
  • 4 – A cerimônia de premiação será realizada em Belém, com data prevista para a segunda quinzena de outubro de 2016.
  • 5 – O autor vencedor poderá participar de lançamentos da obra em eventos literários promovidos pela Livraria da FOX, Editora Empíreo e FliPA, que não se responsabilizarão pelos custos de locomoção e estadia do escritor.
  • 6 – O autor vencedor concorda em participar da divulgação da premiação, da obra e da FliPA.

V – DISPOSIÇÕES GERAIS
  •  Entende-se por romance uma narrativa ficcional longa.
  • É vetada a participação de funcionários, estagiários e parentes em até segundo grau de funcionários da Livraria da FOX, da Editora Empíreo bem como de todos os envolvidos no processo de julgamento do concurso.
  • Será de responsabilidade do autor o compromisso de que o texto é inédito. Caso seja constatada sua publicação, a inscrição será anulada.
  • Não serão aceitas inscrições de obras póstumas.
  • Será permitida a inscrição de obra cuja pequena parcela do conteúdo tenha sido publicada em blogs pessoais ou revistas eletrônicas, desde que não ultrapasse 25% do total da obra.
  • Nenhuma obra enviada será devolvida.
  • Ao se inscrever no PRÊMIO FOX-EMPÍREO DE LITERATURA, o candidato estará automaticamente concordando que conhece e aceita integralmente os termos deste Edital.
  • A obra não deve conter nenhum tipo de ilustração, só texto.





quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Nosso 'O Corvo - edição trilíngue' alta e amplamente exposto na Livraria Cultura do Shopping Bourbon, São Paulo. Aos poucos ele vai alçando mais voos.




QUANTOS LIVROS o escritor Salomão Larêdo já editou? VALORIZA o que é teu o que é nosso. Muitos livros do catálogo estão ainda disponíveis na Livraria da Fox. Dá uma olhada aí !!!

Veja o catálogo com os livros publicados de Salomão Larêdo, acessando neste blog, o link: http://slaredo.blogspot.com.br/…/o-autor-salomao-laredo-fil…


“TIMBUÍ a lenda da anta” - Livro ganhador do “Prêmio Malba Tahan”, da Academia Carioca de Letras e União Brasileira de Escritores.

A anta cria e depois vive uma relação amorosa com Anzol - menino abandonado na porta da Onu e depois deixado no Central Park – dessa relação nasce Azá. As empregadas perceberam que ao lavarem Azá nas águas do igarapé, morriam muitos peixes e por isso, quando nas casas delas não havia comida, emprestavam o menino para dar banho e sempre tinham peixes para comer... Quer saber mais? Leia!!


Você sabe o que é timbuí??


À venda na Livraria Fox: Tv. Dr. Moraes,584, Batista Campos-Belém-PA.Tel: 091 4008-0007

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

O CORVO HOJE EM SÃO PAULO E EM TODO O BRASIL - O Esperado livro O CORVO: EDIÇÃO TRILÍNGUE, feita pela competente EMPÍREO, está lindíssimo, e é um grande presente editorial para ser presenteado a quem se gosta e gosta de ler esta fantástica literatura e chega hoje em São Paulo. Tu leitor convidado especial – lê o convite !!!

Para comemorar os 170 anos do poema “O Corvo” de Edgar Allan Poe, a editora Empíreo está lançando dia 14 de dezembro em São Paulo “O Corvo: edição trilíngue” que traz o poema de Allan Poe original em inglês traduzido para o português de Machado de Assis e Fernando Pessoa e para o francês de Charles Baudelaire. Desta vez a obra vem ilustrada pela talentosa artista Lupe Vasconcelos. Em Belém, estará à venda na Livraria da Fox. Vai logo buscar o teu e lê!!!



Dia 14 de dezembro às 19:30 até 21:30
Local: UNIBES CULTURAL
Rua Oscar Freire, 2500
Sumaré-São Paulo - SP
Ao lado do metrô Sumaré


segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

MARIÁPOLIS GLÓRIA CONFRATERNIZANDO NESTES TEMPOS NATALINOS – Convidados de Apolônio Nascimento, eu e Maria Lygia, na foto, em agradável palestra, participamos da confraternização natalina da Mariápolis Glória, em Benevides. Festa plena de amor e simplicidade com toda a comunidade que cantou e encantou – veja a foto do coral - no clima da presença do Menino- Deus . Depois da missa em homilia especial, almoço na casa dos focolarinos com a simpatia de todos na estima de sempre. Muito bom.



VISITA ESPECIAL DOS PROFESSORES DORIEDSON RODRIGUES E GILMAR PEREIRA DA SILVA, NA TARDE QUASE NOITE DESTE SÁBADO

Há pouco recebemos – eu e Maria Lygia – a visita dos dois importantes líderes na área de educação no Baixo-Tocantins, mais especialmente, no Campus da UFPA e na Secretaria de Educação de Cametá. Dentre outros assuntos, pontificou a conversa sobre o trabalho que fazem na área da educação que está modificando em todos os aspectos a sociedade que tem nos dois competentes profissionais, confiança, estima e admiração na execução dos planos e projetos em que vivem empenhados e trabalham diuturnamente visando a melhoria de vida de toda a população através da promoção humana. No agradável encontro - registrado nas fotos feitas por Maria Lygia -, comentamos sobre as possibilidades do prof. Gilmar Pereira vir a compor chapa à reitoria da UFPA, marcando também a importante força dos campi do interior paraense. (Texto: Salomão Larêdo. Foto: maria Lygia Nassar Larêdo).

Salomão Larêdo e os prof. Doriedson Rodrigues e Gilmar Pereira





5 ª Semana Acadêmica dos Estudantes de Letras da UEPA, sempre valorizando o que é nosso: a literatura paraense, autores e obras. Gosto de ser convidado e de participar. Parabéns!!

Salomão Larêdo compôs a mesa intitulada “Escritores Paraenses”, na 5ª Semana Acadêmica dos Estudantes de Letras da UEPA (SAEL): “Nas trilhas do multiculturalismo amazônico: literatura e conhecimentos linguísticos”, no dia 04 de dezembro de 2015.

Escritores Edyr Augusto, Salomão Larêdo, Andrei Simões e Antônio Moura

Salomão Larêdo recebendo o Certificado pela participação no evento!!

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Nosso fim de ano vem com um presente de Natal perfeito para os amantes da literatura.

É a edição de LUXO de "O Corvo", de Edgar Allan Poe, com capa dura e as bordas todas pintadas de preto. Além disso, é trilíngue, com o original em inglês e as traduções de Machado de Assis e Fernando Pessoa (português) e Charles Baudelaire (francês). Detalhe: a edição vem lindamente ilustrada pela talentosa Lupe Vasconcelos (The Art of Lupe Vasconcelos).


Em breve nas principais livrarias. Mas você pode reservar o seu, com preço promocional em: http://loja.editoraempireo.com.br/…/pre-venda-o-corvo-de-al…
Projeto gráfico: Project Nine

ÉS ESCRITOR ? ESTÁ é A TUA CHANCE !!

TU TENS UM LIVRO NO GÊNERO ROMANCE PRONTINHO QUE ESTÁ NA GAVETA ESPERANDO UM CONCURSO DE LITERATURA SÉRIO, CONFIÁVEL, DE PRESTÍGIO? PRONTO, ENCONTRASTE:É O PRÊMIO FOX/EMPÍREO DE LITERATURA DE 2016 E O GÊNERO É EXATAMENTE, ROMANCE. AS INSCRIÇÕES ESTÃO ABERTAS. APROVEITA. QUEM SABE TU GANHAS O PRÊMIO E REVELAS AO MUNDO O GRANDE ESCRITOR QUE ÉS. O que estás esperando? Faz logo a tua inscrição!


NUNCA PUBLICOU UM LIVRO?
O Prêmio FOX-EMPÍREO de Literatura 2016 está lançado!
É a segunda edição do prêmio que vai editar e publicar a PRIMEIRA OBRA de um escritor paraense, a categoria é ROMANCE.
As inscrições podem ser feitas através do site a partir de hoje!
Inscrições e edital no endereço de web http://flipara.com.br/premio-fox-empireo/

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

MUNDIAÇÃO CAMETAENSE PELA FOZ/VOZ CABOCA SEDUTORA

Leia abaixo, o texto do escritor e jornalista Salomão Larêdo que faz parte da sua apresentação ao vocabulário terminológico da profa. Odaisa Oliveira.


MUNDIAÇÃO CAMETAENSE PELA FOZ /VOZ CABOCLA SEDUTORA

Salomão Larêdo

Quem passa por Cametá sente a força da atração, fica imediatamente mundiado pelo mistério que se plasma num encantamento comum e natural do cametauara , envolvido pelo cheiro cheiroso que chega remixado entre pitiús das águas maparásaviúnicastocantinas e os odores das folhagens, ervas, raízes da mataria do entorno, protetora das simpatias do ser especial que habita a cidade e o município mais antigo do Baixo-Tocantins: o homem e a mulher de Cametá. 

Não existe gente mais alegre,amiga, bonita, sedutora e que deixa o outro cheio de desejo por seu odor, cor da pele,poesia no andar e no ardor; não há povo mais feliz, simples e amoroso que o cametaense. 

Contudo, o que mais exerce o poder de encanto é a fala, o dialeto cametauara, a musicalidade pronunciada entre hálitos e hábitos lingüísticos que soam e sopram nos ouvidos e aí, éfeta, você está aberto às relações sociais, pronto, apto, curado, nunca mais esquece a bela e fogosa Cametá, fica fisgado e visgado, pregado atavicamente a esta deliciosa gente ao chão dessa sociedade prenhe da história amazônica de lutas e devoções de festas de santos e encantados do fundo dos rios, peráus de palácios, aqui, texturas de vozes buiadas das profundezas que ecoam evocando arquiteturas narrativas, construções orais divulgadas com prazer estético e poético pela atriz cametauara Natal Silva raptada do sitio à cidade de que nos fala Ítalo Calvino; encantados da mata que têm o predicado do afeto, das confrarias amorosas nessa irmandade da estima, povo vigoroso, sangue cabano que faz revolução social e cultiva nas entreilhas e nas entrelinhas da estima, a fervura dos índios tupinambá na sua expressão camutá que há quase 400 anos defende o Baixo-Tocantins de qualquer tipo de dominação que venha a tentar sujigar seu ethos com determinação opressora e repressora de quem quer que seja e para que fim deseje, a fala é uma defensa, uma estaca de acapu , esteio de maçaranduba, aquariquara contra o raptor, o mau-olhado e os quebrantos intelectuais com nascida, pustema, pereba , rasgadura e corso.

E por isso, entre balaustrada de açaizeiros, estivas de miritizeiros surge o pontificado do parente identidade identificadora de um falar próprio, diferente e bonito demarcando o terreno desde Igarapé-Miri, até Muru, nas ilhargas hidreletricadas de Tucuruí, mantendo um sotaque que ao abrir da boca, ao espocar da palavra, sabe-se: é caboclo cametauara, é gente de Cametá, é papamapará, é pessoal poliglota porque dizque, cumantão, se exprime em outros idiomas: a língua brasileira, a fala paraense, o sotaque amazônico e o dialeto cametaense. Quer algo mais universal que isso ? 

A professora e pesquisadora Odaisa Oliveira também foi mundiada por Cametá e sua gente e seu jeito e seu modo e cuida de registrar o que a geografia do falante a morfologia do vivente daqui faz obra e oblação e na seqüência serial de outros trabalhos, digamos, etnográficos que preparou, surge esta produção do vocabulário terminológico cultural da Amazônia paraense: com termos culturais da área de Cametá, subentendendo-se área, aqui, todo o contexto sócio-geográfico e político, que começa em Abaetetuba e se derrama quase até Marabá, subindo e descendo, como o rio Tocantins, no fluxo e refluxo e defluxo da maré, força das águas, pujança do rio que vem roendo o espaço-cais-cametá, sem poder nunca acabar-lhe porque qual Penélope, inicia e recomeça e principia e pia , reclama e volta e retorna e retoma com prazer uma sintaxe para que se entenda o léxico que a representação simbólica das narrativas populares da Amazônia Paraense como linguagem de informação quer apropriar como um resultado significativo que a Universidade Federal do Pará vem promovendo dentro de sua missão identificativa da cultura e, qual os termos judiciários, dessanefar nichos de termos (sintermos) culturais que a comunidade ribeirinha planta e cultiva com a saliva também de povo da floresta, cabanoágua, fluvigente, povo da água, aguapovoado, aquarigente, fluviários caminhos da cultura popular entretida nos aturiás e aningais dos quilombolas e que acumulam palavreado inventado e inventariado pela sapiência de gerações que apesar de sujigadas e de toda vicissitude, manteve firme, através da fé, do mito e da crença,os seus costumes, suas lendas e narrativas tufadas de histórias fantásticas que explicam a grandiosidade desse povo valente e destemido, ainda que temente respeitador da visagem, do lobisomen, da matintaperera, povoboto e botopovo, genteboto, gente bota gente e gente que bota povo e povoa com os orvalhos e ovários os úteros mergulhados em inhacas que atravessam nas canoas seduzindo outras margenspáginas, remandodeslizando no dorso da cobragrande e despeja na bacia os cios da noite os cios do rio os ciscos estercados que o sirimbabo faz no tijuco, ciscando e cismando com as arrudas viçosas plantadas nos adubos de caroços de açaí apodrecido nos pairés, a comidia que o boto-gente bota na proa da dissimulação e sai caçoando entre assobios que o chapéu encobre e o furo da cabeça esguicha preguiça na esfumacenta manhã de amores-pajelança lançante maré de marçoabriljulhosdezembros de seu discurso na atividade humana do interrelacionar-se. Oh, fala!!

É bonito ver a doutora Maria Odaísa e sua equipe com a seriedade científica, estar entaniçada de tanto termo que a gente – Mocbel, Doriedson, Danúzio, Bené, Luis Peres, Celeste Pinto, Marlene Assunção, Sebastião, Dmitrius, Silvia, Cupijó, Lenira, Izabel, Manoel, Cassique, Regina, Gilmar, Malcher, Pompeu Braga, para citar uns suprimos - fica numa sintirmice que não tem tamanho. 

É sempre preciso vir nutrir-se,buscar numa das mais importantes e antigas cidades paraense, o caroço de tucumã com que o dia começa e se tem a noite das anunciadas anunciações e alucinações de pajelanças cumpridas e compridas como as mangas dos candeeiros curtindo as ânsias , faróis de boiúnas a soletrar aguardente para noratinho juaba negro quilombola mola mocajuba viladocarmo e trabandas e marinteuascarapajósinachas acha de lenha no fogo do munguzá e faz sarrabullho do sanguecaldo do porco assado pra encarnar um santo preto que traga as danças e festas sambas de cacete , bangüês,cúmbias e merengues de gengibirras com lanzudas prosas de língua como processo de expressão da vida cabocla, raiz e origem.

O falar cametaense é um modo de resistência à homogeneização que a indústria cultural da globalização impõe nestes tempos pós-modernos. Qual é a língua que falamos aqui na Amazônia ? Qual a que falamos em Cametá ? É a língua que inventamos que contém tudo que nos identifica e essa maneira diferente diversa e que tem sido motivo de risos , deboches e caçoadas que deixavam o caboclo falante, mudo, sem fala, esse falar, essa linguagem popular teria influência francesa dos delatuche que interditava a comunicação, que silenciava, felizmente foi mantida e hoje também estudada pela academia, rende também este trabalho precioso que a professora Maria Odaisa reconhecidamente engloba em sua percuciente investigação, num labor sempre carregado de dificuldades para quem se arvora, sem pavulage, a fazer ciência , a se enfronhar na pesquisa, a criar uma episteme amazônica.Temos uma fala regional ! Vocábulos se assanham. É o pós-parto, a fruição do prazer pelo que decorreu dessa dor de gestar e parir o fruto, a semente numa semântica de experiência pessoal e coletiva: fizemos, aqui está !!

Peço ao rezador para dar uns passes na cabeça da academia para que se faça presépios e cosmoramas e se observe percebendo o homem e a mulher nativos deste espaço, valorizando o que é nosso.

Mesmo sob forte fogo midiático globalizado padronizado com toda propaganda maciça que entra nos tapiris do Baixo-Tocantins por meio da parabólica quer abolir e parar o Pará, profanando e poluindo a nossa fala, agredindo nossos ouvidos querendo desletrar o siriá e desmusicalizar o samba de cacete, dilacerando o bangüê, o caboclo mesmo pressionado, não substitui o açaí pela coca-cola, o araçá pela tâmara, o ailoviu pelo aviu.

Festas, foguetes, benzeções, ladainhas, responsos, pajelanças xamânicas, batismo, crisma e cisma do bispo e casamento religioso com efeito civil ou com qualquer outro efeito ou feitio, o caboclo topa com a igreja e vai se defendendo de todo tipo de aculturação que quer se impor diante de sua espontânea fala.

Quem revista cacuri também olha shopping; quem apita na garrafa anunciando mapará no porto agora usa celular para ser retratista lambe-lambe da comunicação do presente, retrato em branco e preto de mastro de santo, paumadeira ibamada ou não certificada, que vai e vai...

Deste e neste chão cametauara, provindo da Vila do Carmo,sou um encantado com a mundiação que a professora Maria Odaisa Espinheiro de Oliveira processa e que vai repercutir como o cheiro do tucupi e arder como a pimenta de cheiro do tacacá no tempo certo para que corações e mentes façam valer a bravuracabana e tragam de volta um tempo de feliz humanização em que todo ser era encantado pelo afeto de saber o outro, sujeito e predicado de uma vida mais feliz !

A professora Odaisa Espinheiro não poderia passar impune por Cametá, pelo Baixo-Tocantins sem ficar indelevelmente breiada, tisnada, açaizada , marcada – para sempre – pelo mistério cametauara, daquilo que naturalmente imana daquela terra de bivalvos cobiçados, do amarelo-ouro da casca do cacau-pivide que vai dar um bom chocolate com gema de ovo e farinha de tapioca para a sustança de que se precisa para aguentar o tranco uirapuresco de seu povo que exala sedução e faz comichão corporal gozoso e generoso. Credo ! Uai, sumano quem lhe cuntu semelhante cuisa ? 

Agora sim, o vocabulário terminológico da Amazônia inicia seu “veldadeiro” círculocircuito. Agora a UFPA começa seu processo autêntico que é entender e falar fluentemente a fala das gentes das águas dos rios, multirios, presentificando-se em nossa rica cultura popular. 



Parabéns professora Odaisa Oliveira, por mais esta pérola que você produziu - e me pede para apresentar - e que salta do bivalvo tocantino, concha aberta aos que gostam de se abeberar direto, na fonte em que você, correndo terra, foi buscar toda essa imensa riqueza. Parabéns Maria Odaisa pela pepita de ouro que é este livro que brota das entranhas cametaenses da cultura dos povos amazônicos e segue para o uni-verso da maré cheia de significados.

O escritor Salomão Laredo no quadro "Vitrine", do programa CIRCUITO, da TV CULTURA do Pará, falando sobre o seu blog pessoal que serve não apenas como um acervo de seus trabalhos literários, como também o de outros escritores paraenses. Assista abaixo:

video

Rabetas ou rabudas ou cumpridonas

Foto mostra - com elas, nosso caboco faz seu ir e vir constantes em nossos rios, furos e igarapés onde só alguns poucos utilizam a força propulsora dos remos de madeira chamados jacumã, sem serventia.Os remeiros ou remadores que eram contratados para fazer viagens, desapareceram.


quarta-feira, 25 de novembro de 2015

ESQUECIDOS - Deu no jornal.

Leia abaixo como continua o esquecimento, o preconceito com o povo da região Norte do Brasil, referente a recursos culturais. Fonte: Jornal O Liberal, edição de hoje, 25 de novembro de 2015, caderno Magazine, pág.4.












SALOMÃO LARÊDO NO CIRCUITO DA TV CULTURA NESTA QUINTA-FEIRA, dia 26 de novembro de 2015, ÀS 21h30, EM INTERESSANTE E IMPORTANTE ENTREVISTA

– Todos tem que ver, assistir,ninguém pode perder essa importante e interessante entrevista que a jornalista Amanda Campelo fez com o jornalista e escritor Salomão Larêdo. É na TV Cultura do Pará, às 21h30, nesta quinta-feira, dia 26 de novembro de 2015. As fotos documentam o momento em que o escritor Salomão Larêdo chega à emissora de televisão e concede a entrevista à Amanda Campelo e aos cinegrafistas Hélio Furtado e Edson Cabral.


É agora! É a hora! Lançamento dos livros: “O Corvo: um livro colaborativo” e o “O Corvo: edição trilíngue”.

Em 2015, o poema “O Corvo”, de Edgar Allan Poe completa 170 anos de publicação. A editora Empíreo preparou DUAS grandes homenagens a um dos textos mais famosos do mundo.

- A primeira –

Edição do “O Corvo: um livro colaborativo” - publicado por meio de financiamento coletivo - contém 53 textos de autores escolhidos entre escritores de todo o país e sete de convidados. São eles: André Vianco, Rubens Lucchetti, Cláudia Lemes, Edyr Proença, Salomão Larêdo, Bruno Godoi e Andrei Simões.

Além disso, a obra tem 13 ilustrações de artistas do Brasil, Malásia e Itália. Dois ilustradores foram convidados a fazerem parte do projeto: Eduardo Seiji e Zakura Aoyama. A capa foi desenhada por um dos tatuadores mais renomados no Brasil, no estilo aquarela, Victor Octaviano.

- A segunda - 
“O Corvo: edição trilíngue” edição de LUXO traz o poema original traduzido para português por Machado de Assis e Fernando Pessoa e para o francês por Charles Baudelaire. A edição também vem lindamente ilustrada pela talentosa Lupe Vasconcelos (The Art of Lupe Vasconcelos).

Vai ser lindo! Será uma grande grande evento e queremos todos os fãs de Edgar Allan Poe presentes.


NUNCA PUBLICOU UM LIVRO?

O Prêmio FOX-EMPÍREO de Literatura 2016 está lançado!
É a segunda edição do prêmio que vai editar e publicar a PRIMEIRA OBRA de um escritor paraense, a categoria é ROMANCE.
As inscrições podem ser feitas através do site a partir de hoje!
Inscrições e edital no endereço de web http://flipara.com.br/premio-fox-empireo/


segunda-feira, 23 de novembro de 2015

SALOMÃO LARÊDO E ELIANE ROBERT MORAES SE ENCONTRAM NA UFPA NO III SIMPÓSIO TRADUÇÃO&MEMÓRIA.

O escritor e jornalista Salomão Larêdo e a pesquisadora dra. Eliane Robert Moraes, professora de Literatura Brasileira, na USP, que há vinte anos mantém amizade baseada em atividade literária, se encontram no auditório da UFPA durante a palestra que a profa. Eliane proferiu sobre “A deslocada e desbocada: a língua erótica brasileira”, discorrendo, com competência e elegância, sobre o tema que envolveu analisar termos franceses como o deboche, comparando com outros de uso em nosso idioma, como desregramento, o excesso sexual, a zombaria, a galhofa e o escárneo, destacando a obra “Macunaíma”, de Mário de Andrade e lançou aqui o livro que organizou, denominado:“Antologia da poesia erótica brasileira” (veja na foto, abaixo).Salomão Larêdo assistiu a palestra na companhia de seu filho Filipe Nassar Larêdo, publisher da editora paulista EMPÌREO e do psicólogo Océlio Dias de Souza. As fotos feitas por Filipe Larêdo documentam os fatos.