quarta-feira, 27 de abril de 2016

OS 122 ANOS DA BIBLIOTECA DO MUSEU GOELDI DO CAMPUS DA PERIMETRAL E O LANÇAMENTO DA REVISTA PORANDUBA ON LINE

Uma das maiores bibliotecas da região e com acervo de mais de 400 mil livros, a biblioteca Domingos Soares Ferreira Pena que completa 122 anos, é centro de referência mundial para quem quer pesquisar sobre a Amazônia e a direção do centro de documentação para marcar a data reuniu há pouco no auditório, técnicos, servidores e usuários sublinhando a importância da biblioteca e lançou a revista informativa " Poranduba" (que em nossa lingua Nheengatu, significa: boas notícias) – on line - que já pode ser acessada -www.museu-goeldi.br Nas fotos, a mesa dirigente dos trabalhos, bibliotecárias e técnicos e aspectos internos do campus. Parabéns à direção do Museu Goeldi.







segunda-feira, 25 de abril de 2016

A FUNÇÃO SOCIAL DO LIVRO - LIVROS DOADOS

Pacotes e caixas com livros - é o que mostra e comprova a foto abaixo - doados pelo escritor Salomão Larêdo e pelas profas. Carmen e Camila Dias Numazawa, à espera do transporte cedido pelo prof. Doriedson Rodrigues que os levará às escolas públicas do interior de Cametá, as que funcionam nas comunidades na beira do rio Tocantins, nos furos e igarapés, em ação política concreta de muitos anos de trabalho nessa direção no sentido de ajudar a formar os espaços de leitura à efetivação ao acesso democrático ao livro e a leitura que cooperam à formação do leitor crítico.


sexta-feira, 15 de abril de 2016

Texto de Salomão Larêdo em homenagem ao aniversário da Biblioteca e Arquivo Público do Pará

Comecei a frequentar a Biblioteca e Arquivo Público do Pará, em 1961, assim que chegamos em Belém, vindos da Vila do Carmo/Cametá, para estudar e meu pai, funcionário público da estrada de ferro do Tocantins, em Tucuruí, alugou modesta casa no bairro da Cremação, coberta de palha de ubuçú, paredes e assoalho de restos de madeira usada e apodrecida, verdadeira palafita feita no charco onde muçuns e carapanãs proliferavam. Vida de muita privação e dificuldade, garoto novo e leitor, saía cedo, a pé e começava lendo os jornais do dia, sentado na cadeira de palinha, numa mesa coberta de feltro verde, compartilhando com outros frequentadores , a maravilha que é ler e nutrir-se de conhecimento através da informação em todos os meios de comunicação; e depois, passava aos livros, deslumbrado com o acervo da biblioteca – a primeira que conheci e frequentei – sob a direção do historiador Ernesto Cruz que vi, inúmeras vezes naquele espaço público de memória e leitura onde atraquei o meu barco pra sempre e passei depois a ajudar a formar leitor crítico, consciente de que é através do sério e intenso investimento em educação e cultura, que passa pelo cuidadoso arquivamento de toda a nossa memória documental , pela biblioteca, livro e sobretudo pela leitura, que uma sociedade se humaniza e é capaz de transformar corações e mentes para um mundo melhor, mais justo e mais fraterno. Ler é o maior espetáculo da vida! Leia! (Texto do escritor e jornalista Salomão Larêdo em homenagem ao aniversário, neste 14 de abril, do importante e mais que necessário arquivo público do Pará com milhões de documentos, que, preservados, digitalizados e disponibilizados à consulta e pesquisa, revelarão cada vez mais a nossa história).

sexta-feira, 1 de abril de 2016

NÃO MORRER SEM AMAR - Personagem no livro CHAPÉU VIRADO

Veja foto das capas (produzidas pelo artista plástico Emmanuel Nassar) - tem este e outros desejos, vontades. Leia pequeno trecho selecionado pela jornalista Camila Andrade que acabou de ler o livro de conto, editado no tamanho bolso e que é texto encantado e encantador e o cenário é a Ilha do Mosqueiro: - "Sabia que, se não encontrasse aquele por quem seu coração disparou, morreria e não queria morrer sem amar o que amou assim que seus olhos viram." Trecho da obra Chapéu Virado de Salomão Larêdo.
















Adquira seu exemplar na Livraria da Fox dr. Moraes em Belém do Pará.

VEJA QUEM GANHOU O PRÊMIO FOX/EMPÍREO DE LITERATURA DE 2016 QUE OBJETIVA REVELAR NOVOS TALENTOS e é uma ação cultural da FLiPA - FEIRA LITERÁRIA DO PARÁ, que é um SUCESSO e será efetivada nos dias 15 e 16 de outubro de 2016, na Livraria da Fox. O Livro será editado pela EMPÌREO.


quarta-feira, 30 de março de 2016

O editor orientando o escritor; o filho dirigindo o pai nos caminhos da edição de obra literária, com a formação, a inteligência e a competência dos que sabem e gostam do que fazem: editar livros.



Assim é o meu editor, o meu amado filho Filipe Nassar Larêdo, publisher da EMPÍREO, a editora de livros apaixonantes de cujo time faço parte com muita alegria e orgulho de estar com o melhor dos editores que um autor de obra literária pode ter. Feliz, muito feliz, apresento-me: Salomão Larêdo,escritor, na foto com o Filipe Nassar Larêdo, no espaço da editora, em foto de Maria Lygia Nassar Larêdo, minha amada mulher e mãe do nosso amado filho, Filipe Nassar Larêdo, o editor da EMPÍREO..




SINTA PRAZER EM COLABORAR, É COLETIVO O FINANCIAMENTO DO MUITO PRAZER

Está no ar o novo projeto da Empíreo: livros colaborativos. 
Muito Prazer: Um Livro Colaborativo Sobre Sexo, que desafia escritores do país todo a mostrarem sua criatividade ao abordar o tema mais polêmico desde Adão e Eva. O projeto mais uma vez contará com financiamento coletivo para ser concretizado.



segunda-feira, 28 de março de 2016

Conheces a Amazônia? Responde para ti mesmo.

Mas, agora tens chance. Lançado em Manaus (em Manaus e Belém, procure a Embrapa)o importante livro que a foto mostra e que o prof. dr. Alfredo Homma presenteou-me no início desta semana santa e li. 



Através desta obra (520 págs.) o leitor pode iniciar seu processo de conhecimento de nossa região. São 23 excelentes artigos e ensaios sobre a Amazônia,com textos acessíveis ao público alvo: os estudantes universitário e de nível médio, os professores e demais interessados em conhecer aspectos básicos da Pan-Amazônia. Parabéns aos organizadores: Osiris Silva e Alfredo Homma (fotos). 



O futuro da Amazônia depende de todos nós. Leia! Valorize o que é nosso, o que é seu.

quarta-feira, 23 de março de 2016

Valorizando o que é nosso. Maria Ester Pena Carvalho( foto) é socióloga e escritora amapaense e está com novo livro à leitura de todos. Leia!



Valorizando o que é nosso. Qual a língua falada no Amapá? Os escritores Cleo e Maria Araujo, dão show em amapaês que está em dicionário dos mais importantes. Leia!


Valorizando o que é nosso. Também semioticamente. No bairro de são Brás, em Belém do Pará, o anúncio da venda do açaí e o açaizeiro, a bacaba e o miriti e a comunicação através das bandeiras e das cores.



Em Cuba está Barack Obama. E a personagem Primapata está no livro Lâmina Mea, mulher não chora ou Suzama Matriz, de Salomão Larêdo , que tu podes ler um trecho , abaixo, que está na pág. 14 e adquirir a obra na Livraria da Fox, em Belém.

“PRIMAPATA E A SITUAÇÃO DA MULHER EMPRENHADA - PrimaPata veio de Cuba e trouxe uns arranjos pra músicas de que mais gostava e passava horas ao piano, pensei ser bossa nova reinterpretada ou reinventada em “blues” ou meio carimbó. Prima gostava de beber run e namorava um varapau lá de Porto Rico que toda vez que me via na sala, levantava o copo e dizia: E viva Cuba, tambien! E eu respondia, meio sem graça: Cuba, também!”


segunda-feira, 14 de março de 2016

PROJETO UNIVERSO LITERÁRIO PARAENSE EM MACAPÁ

Universo Literário Paraense é o nome do projeto das produtoras culturais Bella Pinto de Souza e Irene Pimentel, aprovado pelo Ministério da Cultura objetivando divulgar a apoiar autores paraenses, orientando docentes no sentido de que estimulem na população o prazer de ler e assim aconteceu em Macapá, onde estivemos com Juraci Siqueira e Rui do Carmo, como registram as fotos do circuito de escritores feitas por Maria Lygia que se efetivou na biblioteca pública com auditório atento às experiências dos autores que também estiveram na Rádio Universitária da Universidade Federal do Amapá, no programa do prof. Maneca sublinhando a importância de valorizar o que é nosso.




segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

TERESINHA LARÊDO GAIA nasceu em 19 de junho de 1932 focada em servir a Deus e ao próximo. Filha mais velha da tia Raquel Larêdo e do tio Vivico Gaia, pais de uma prole numerosa que nasceu na casa à beira do rio Paruru, em Cametá.

Em 1957, tia Raquel faleceu e Teresinha tomou conta de seus irmãos e depois que eles estavam encaminhados, cuidou de atender ao chamado de Deus numa vocação manifestada desde cedo e se tornou irmã de Caridade, filha de São Vicente de Paulo dedicando-se amorosamente aos desfavorecidos, aos pobres, aos humildes . Visitava sempre seu pai e irmãos e para todos permanecia, mesmo sob dores da saúde precária, risonha e afável , afetuosa, carinhosa e por sua vida de santidade, agora usufrui - desde às 5 da manhã deste dia 29 de fevereiro de 2016, conforme comunicou à família a direção da casa das irmãs, no Rio de Janeiro, onde Teresinha trabalhava e morava, o seu falecimento -, da comunhão dos santos, no Paraiso, onde vê Deus, face a face. Bjs, querida prima Teresinha Larêdo Gaia (foto), nossa amada irmã Teresinha.


OLHE O OLHO DE BOTO



Na Livraria da Fox, Salomão Larêdo autografando o romance Olho de Boto para o Bruno Larêdo, nas fotos que também registram a presença de Maria Lygia Larêdo, Flávio Oliveira, Agildo Monteiro e Alvaro Martins