sexta-feira, 20 de setembro de 2013

AS PROFESSORAS AMERICANAS HILARY, LOUISE E SARAH (FULBRIGHT ENGLISH TEACHING ASSISTANT)

Salomão Larêdo, escritor e jornalista

O instituto de educação Fulbright, baseados nos Estados Unidos oferece bolsa à pesquisa e ensino da lingua inglesa e muitos se candidatam e por isso, as instituições de ensino superior recebem, por 9 meses, jovens professores que trabalham - sustentando-se como bolsista da Capes - com quem está se graduando em letras, área de inglês num intercâmbio interessante. Neste 2013, muitos vieram ao Pará, Conheci Louise Goodman e Sarah Mellman que estão em Bragança e Hilary, em Belém, com quem, através da professora Cintia Costa, amiga e leitora de meus textos, estou interagindo mais e por isso, caro leitor deste espaço peço que a própria Hilary se apresente:


Hilary Pollan

“Meu nome é Hilary Pollan. Minha amiga Cintia Costa me deu seu contato porque estou morando em Belém durante 9 meses trabalhando como professora assistente da lingua ingles na UFPA. Sou americana, e jovem educadora. Nos Estados Unidos, trabalhava na área de educacão popular, e por isso decidi vir ao Brasil - para conhecer mas sobre as raízes desta forma de educacão. Cintia me falou que você faz trabalho de educacão muito lindo com a juventude e comunidades de Belém, usando as histórias e a cultura paraense. Se você tiver um tempinho, eu gostaria de conhecê-lo para aprender mais sobre seu trabalho com a juventude e com as comunidades”. 


Sarah Mellman

As professoras que já retornam agora em novembro aos Estados Unidos, chegaram em Belém sem falar a lingua brasileira e em pouco tempo dominam muito bem nosso idioma e procuram participar ao máximo da vida cotidiana onde estão morando.


Helena Chaves, Salomão Larêdo e Louise Goodman

Em Bragança, Louise e Sarah, exercem suas atividades no campus da UFPA, e lá, coincidentemente, Louise ficou me conhecendo por meio da professora Helena Chaves que está às portas do doutorado, nas USP, mas, em uma de minhas recentes estadas em Bragança, por conta de circuito literário, pudemos conversar e fazer as fotos que ilustram esta matéria.

LENDÁRIO AMAZÔNICO

Hilary está quase concluindo a leitura do livro de conto “Chapéu Virado”, a lenda do boto” e me diz que está “adorando”.
Hilary é judia e como tenho origens hebraicas, esse foi mais um elo que fortalece nossa amizade, além do mais, ela aprecia trabalhos artesanais que minha mulher Maria Lygia produz para se distrair após dia inteiro despachando processos em sua área jurídica e elas ficam em agradável prosa.
Maria Lygia e Hilary

Agradeço às professoras Cintia Costa e Helena Chaves a oportunidade de compartilhar com pessoas de cultura diferente, os mesmos anseios, pois sendo Hilary, socióloga, anseia em saber mais sobre o ser humano e por justiça social e é empenhada na formação de leitor crítico e sonha com sociedade mais igualitária e feliz.
Salomão Larêdo e Cintia Costa
Hilary e Salomão Larêdo





2 comentários:

Cintia Costa disse...

Fico imensamente feliz com esses encontros tão ricos em nossa querida Amazônia!!!!

Ronald Junqueiro disse...

Parabéns Salomão. É muito bom a quebra de fronteiras através da literatura. Abraço. Ronald Junqueiro