sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

O LUGAR DAS CANOAS DOS MARIOCAI É SÃO BENEDITO DE GURUPÁ


Passei dez dias desta segunda quinzena do mês de Janeiro de 2012 , em Gurupá, região do Marajó, quase Baixo-Amazonas, ministrando  aulas aos professores do curso de Pedagogia, do Parfor, iniciativa da Universidade Federal Rural da Amazônia – UFRA. Lá, juntamente com colegas da UFPA e do IFPA, tivemos contato com inúmeros professores dos diversos  cursos  e disciplinas de nível superior postos à disposição dos docentes num investimento em educação que deve se intensificar e  espalhar em toda a nossa região, pois só assim, teremos chance de nos desenvolver, de crescer em busca de uma vida mais equânime. Em Gurupá, existe curso nas áreas das Ciências Naturais, Pedagogia, Informática, Matemática e outros.
 
Gurupá, às margens do rio Amazonas – o maior rio do mundo em volume d’água -,lugar de canoas, habitada pelos índios Mariocai , holandeses, ingleses, espanhóis e portugueses, tem quase 400 anos de fundação. O que por lá observei, irei, pouco a pouco relatando aqui, dessa gente hospitaleira, fraterna, feliz, acolhedora, que tem fé e  intensa  devoção em São  Benedito a quem faz uma festa muito alegre e bonita no mês de dezembro.
Clique na imagem para ampliar

2 comentários:

Anônimo disse...

Prezado Salomão Laredo,

Gurupá habita tofos os dias a minha imaginação. Afinal, Gurupá é "Ribanceira" (Dalcídio) e "Itá" (Charles Wagley e Eduardo Galvão). Dalcídio acompanhou Wagley em 1947 a Gurupá. Daí nasceram dois clássicos sobre a Amazônia("Uma comunidade Amazônica", de Wagley e "Santos e visagens na Amazônia", de Galvão) e o último romance do ciclo do Extremo Norte..Será sobre tudo isso a disciplina que ministrarei neste 1. semstre na Pós em Antropologia. Em todos estes livros, a festa de São Benedito é muitíssimo importante.
Em outubro passado, vi Gurupá de longe, do outro lado do grande rio...
Um abraço,
Ernani Chaves

Informatizando a Educação disse...

Querido Salomão,
Foi muito bom entrar aqui e ver tantas coisas bacanas que vivi lá em Gurupá, uma terra tão distante da minha mas não menos acolhedora e cheias de encantos, à começar pelo balançar do grande rio Amazonas em nosso quintal seguido pelas descontraídas conversas (incluindo as do Boto Encantado). Dias inesquecíveis onde aprendi muito!! Grande Abraço, e até a próxima!